Publicidade

Após 66 milhões de anos, a Terra pode passar pela sexta onda de extinção em massa

O super aquecimento da Terra pode eliminar milhões de pessoas

15/03/2024 às 22h19 Atualizada em 16/03/2024 às 21h20
Por: Profº Nicanor Fonte: msn
Compartilhe:
reprodução
reprodução

Cinco momentos extinção em massa já devastaram a Terra. O último aconteceu há 66 milhões de anos, apesar do longo período de "paz", o planeta parece próximo de enfrentar a sexta onda.

A última vez que a Terra passou por um evento similar foi quando o meteoro destruiu os dinossauros e eliminou 75% das espécies locais. No entanto, agora parece que o planeta está novamente perto de vivenciar outra extinção em massa com 30% de espécies ameaçadas.

 

A atividade humana é uma das principais responsáveis

Não é uma surpresa que os humanos sejam os principais culpados por este evento, considerando os diversos malefícios que suas ações causam ao meio ambiente. No geral, podemos ser quase considerados o meteoro da geração. Segundo dados apresentados pelo G1, a ação humana evoluiu a taxa anual de extinção natural que variava de de dez a 100 espécies por ano para 27 mil por anualmente.

Desde destruição de habitats a uso de poluentes, diversas atividades do cotidiano dos seres humanos colocam espécies em risco gradativamente. Por exemplo, trazendo ao Brasil, temos a Amazônia que abriga entre 15% a 20% da flora e fauna do planeta, considerando o desmatamento do local poderia resultar em um desaparecimento catastrófico de mais de 10 mil espécies.

Como o meio ambiente está todo interligado a extinção de uma espécie atinge a outra e entramos em um efeito dominó. Com isso ecossistemas perdem estabilidade até colapsarem e gerarem fortes consequências aos seres humanos.

 

É claro que este não é o evento recente. Não acontece nos últimos séculos, na verdade, é uma consequência dos últimos 10 mil anos.

Como reverter a situação?

Não é uma tarefa simples reverter diversas ações humanas maléficas que acontecem diariamente. A União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN) utiliza uma escala para analisar a proteção ambiental. O método prevê o potencial de uma espécie de se recuperar com ou sem os esforços de conservação e o tamanho máximo das populações de cada espécie.

Por exemplo, o grou-azul, do sul do continente africano, é uma das espécies capazes de se beneficiar com uma possível intervenção e a partir da próxima década poderia se recuperar quase totalmente. Por outro lado, o lêmure-saltador-do-norte não teria a mesma sorte. A espécie poderia se recuperar em até dez anos com esforços de reflorestamento, mas atualmente esses animais estão a prestes a serem extintos.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
União dos Palmares, AL
21°
Tempo nublado

Mín. 20° Máx. 25°

21° Sensação
4.18km/h Vento
76% Umidade
100% (3.84mm) Chance de chuva
05h40 Nascer do sol
05h19 Pôr do sol
Sex 25° 19°
Sáb 21° 19°
Dom 25° 18°
Seg 22° 17°
Ter 24° 19°
Atualizado às 09h45
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,54 +0,95%
Euro
R$ 6,04 +0,66%
Peso Argentino
R$ 0,01 +1,58%
Bitcoin
R$ 377,705,62 +0,27%
Ibovespa
128,831,11 pts -0.48%
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Lenium - Criar site de notícias